Doce ilusão


Uma doce ilusão. É o que sei que aconteceu.

Pela primeira vez alguém estava comigo sem ser só pra conseguir algo, não tinha problema me apresentar para os amigos, sair comigo, fica junto. A minha famosa frase "os fatos comprovam a realidade" me fazia manter os pés no chão e saber que coisas legais e fofas nunca aconteceriam comigo, comigo não, não mesmo. 

Mas foi tão diferente que eu quis esquecer, eu quis deixar de lado, e simplesmente aproveitar, aquilo tava acontecendo, era real. Mas era de esperar de não durasse nada, a impressão que tenho é que a vida estava me dando uma pequena oportunidade de sentir isso, reciprocidade. Mas tinha prazo de validade, e strike, em cheio. 

Doce ilusão porque foi boa, como foi, a coisa mais legal que me aconteceu nesse ano, revoltante que tenha acabado, mas aceitável sabendo o azar em pessoa que sou. Não ia ser diferente, é como costumo dizer, o estranho nisso tudo não foi o desfecho, foi o meio, quando eu tava bem, e volto a dizer, eu devia ter prestado mais atenção no meu pessimismo.

As pessoas tentam carregar esperança demais, sonham demais, se iludem demais, e quando eu decido ser idiota o suficiente pra tentar ser assim, volta a realidade para me mostrar o lugar certo das coisas. Você não é mina pra isso, você sabe que não é.

O melhor de ser pessimista é que você aceita que as coisas podem ser ainda piores sabe, que algumas não acontecem e fim. Tudo o que vier surpreende, se não vier, você aguenta a depre passar e fim também.

Sei que muita gente falaria que isso é drama, sentimentalismo, mas acho que é uma questão simples de blindagem, tentativa para se proteger, cada um lida de um jeito. Vou escrever enquanto tiver vontade sobre temas dramáticos e que assim seja. Até caro leitor.

Lola.

Tags:

Share:

0 comentários