Não gostava da ideia de se apegar a um chão fixo


Organizando seus emails, ela vai encontrando alguns que se auto mandava, normalmente para salvar algum arquivo que gostasse e pudesse usar depois. Esses arquivos eram, em sua grande maioria, fotos. Essas fotos, em grande parte, eram relacionadas a viagens. 

Dias antes ela estava pensativa sobre o que tinha de maior desejo no coração anos atrás e o que a fizera mudar. Lembra-se bem que sua vida girava em torno de programar suas sonhadas viagens, em ter uma vida de liberdade para viver em qualquer lugar, não gostava da ideia de se apegar a um chão fixo.

Percebe que os últimos dois anos fugiram um pouco desse desejo, parece correnteza de um rio, que a descer pelo seu próprio curso, facilita a ida do barquinho, e assim, fica mais cômodo só seguir. 

O que ela percebeu agora é que nesse caminho tem pedras grandes demais que impedem o curso perfeito daquele barco. E o mais louco, esse curso natural do rio é seguido por muitas pessoas, e ele geralmente funciona para muitos desses aventureiros. 

Mas talvez nem sempre ele seja realmente uma formula - basta seguir e pronto, eis o destino perfeito. Não, não mesmo. Ela percebeu que na verdade, nesse caminho, perdeu-se do porque realmente havia saído da costa, entrado naquele barco e seguido rio abaixo. 

Algo estava fora do eixo, parece que no caminho, algumas coisas haviam ficado no caminho. Ela queria mesmo ancorar? ela queria mesmo parar naquele porto? ou o estava fazendo por pensar que seguir o mesmo percurso parecia enfim o melhor? 

Ela pensou tanto sobre o caminho que seguiria, corria atrás disso e sonhava demais - já viajava na imaginação antes mesmo de estar fisicamente ali. Devia ela parar e voltar? mudar a direção e ir para onde sempre quis? parecia tarde demais, parecia arriscado e agora não estava completamente só.

Mas ela sempre pensa que ao chegar ao final desse jornada, quer estar com o coração cheio de satisfação. Esse caminho a deixará assim ou só lhe dará uma viagem sossegada ao modo tradicional?

Com amor, sua Lola

Share:

0 comentários